Brasil faz bonito e derrota Lendas Olímpicas no Desafio Internacional

10/07/2016 13:32
Hugo Calderano bate Jean-Michel Save e Wang Liqin, enquanto Gustavo Tsuboi derrota Jörgen Persson, garantindo o triunfo por 3 a 1.
 
Fotos: Christian Martinez
 
Da redação, no Rio de Janeiro - 10/7/2016
 
Foi histórico! A seleção brasileira de tênis de mesa venceu as Lendas Olímpicas. No evento, que aconteceu na manhã deste domingo (10), no Ginásio do Botafogo, no Rio de Janeiro (RJ), Hugo Calderano, Gustavo Tsuboi e Cazuo Matsumoto derrotaram, por 3 jogos a 1, o chinês Wang Liqin, o belga Jean-Michel Saive e o sueco Jörgen Persson. A única vitória das lendas foi na partida de duplas, em que Wang Liqin/Jörgen Persson bateu Gustavo Tsuboi/Cazuo Matsumoto. No restante dos confrontos, Hugo Calderano triunfou sobre Jean-Michel Saive e Wang Liqin, enquanto Tsuboi bateu Jörgen Persson.
 
No primeiro jogo do dia, uma grande expectativa. A vitória de Hugo Calderano (46º colocado do ranking mundial) sobre Saive teve gosto de tira-teima. Eles já tinham se enfrentado duas vezes anteriormente, com um triunfo para cada lado. No fim, melhor para o brasileiro, que ressaltou a festa feita pela torcida durante o evento.
 
"No final, queremos ganhar e, felizmente, eu ganhei. Foi muito legal jogar com a torcida. Acho que, nos Jogos Olímpicos, terá ainda mais gente. Já vamos nos acostumando ao calor da torcida e à pressão na hora dos jogos", disse.
 
Campeão europeu em 1994 e ex-líder do ranking mundial, Saive fez elogios ao evento e à equipe masculina da seleção brasileira que disputará os Jogos Olímpicos.
 
"Foi um evento muito bom para o tênis de mesa e para os fãs brasileiros. Acho que, para os jogadores, foi bom por conta da preparação para os Jogos Olímpicos. Acho que dá confiança. É um time bom e promissor, especialmente Hugo Calderano, que é muito novo e tem um futuro longo pela frente. Acho que será muito interessante acompanhar esse time brasileiro. Eles estão em um nível bom, terão os torcedores a favor", salienta.
 
Gustavo Tsuboi (64º), que venceu Jörgen Persson na segunda partida do evento e perdeu nas duplas, acredita em um bom desempenho da modalidade nas disputas olímpicas, lembrando os resultados positivos conquistados recentemente, mas evita fazer qualquer tipo de projeção. 
 
"Não quero colocar limites para a minha participação e nem para a de nossa equipe. Temos de sonhar com a medalha, temos de ir para a Rio 2016 pensando nisso, mas, acima de tudo, chegar o mais longe possível. Nos últimos campeonatos em que a participamos, todos os jogadores tiveram sucesso, enfrentando adversários fortes. Então, mostramos que temos capacidade de enfrentar os melhores do mundo e jogar o melhor nível possível", avisa.
 
Persson, que atualmente trabalha com a nova geração do tênis de mesa sueco e é treinador do alemão Dimitrij Ovtcharov - quinto do mundo -, acredita que o Desafio Internacional foi bastante proveitoso para as duas equipes. Conhecido também como "O grande Viking", o campeão mundial e ex-líder do ranking lembrou a expectativa gerada nos jogadores às vésperas dos Jogos Olímpicos.
 
"Acho que foi legal para nós e para o Brasil, que está se preparando para a Rio 2016. Acredito que aproveitamos bem. É bastante excitante. Joguei os Jogos Olímpicos sete vezes, então, sei bem como é a sensação e o sentimento de quando a competição está chegando mais perto", recorda.
 
Matsumoto, que disputará os Jogos pela primeira vez - foi a Pequim/08 e Londres/12 como reserva -, se mostra otimista quanto aos resultados que o Brasil pode alcançar no tênis de mesa e acredita que a melhor campanha do país (Hugo Hoyama, que chegou às oitavas em Atlanta/96) pode ser ultrapassada:
 
"É possível! Nós três estamos focados e provamos que podemos disputar com atletas do mundo inteiro. A gente têm vários resultados bons nos últimos quatro anos, temos três top 100 do mundo. Acho que tudo é possível, então, estamos com a cabeça de que estamos indo lá para fazer história"
 
Um dos mais ovacionados pelo público foi o chinês Wang Liqin, tricampeão mundial e ex-líder do ranking. Atualmente com 38 anos, ele, em 2008, teve a chance de participar dos Jogos Olímpicos em casa e dá dicas aos brasileiros, que terão essa experiência em breve.
 
"Meu conselho para os brasileiros é não focar no placar ou no resultado, mas sim na partida, em como estiverem jogando", disse ele, que ainda completou:
 
"Acho que foi uma experiência muito boa para os dois times. Para o Brasil uma boa preparação e para as Lendas a oportunidade de mostrar o tênis de mesa para as pessoas. Eu não esperava que tivéssemos um ginásio lotado, então foi uma experiência muito boa. Espero que no futuro aconteçam mais eventos como esse e com mais gente que conhece o tênis de mesa".
 
Liqin tem dois ouros nos Jogos Olímpicos, em Sydney 2000 nas duplas e Pequim 2008 por equipes, e dois bronzes, em Atenas 2004 e Pequim 2008, individual. 
 
A seleção brasileira treinará no Rio de Janeiro até o próximo dia 17. Depois o elenco irá para São Caetano, São Paulo, onde fará atividades do dia 20 ao dia 29.
 
Veja as parciais das partidas:
 
Hugo Calderano 3 x 2 Jean-Michel Saive (14/12, 9/11, 13/11, 5/11 e 11/6)
Gustavo Tsuboi 3 x 2 Jörgen Persson (11/5, 11/4, 8/11, 5/11 e 11/7)
Gustavo Tsuboi/Cazuo Matsumoto 1 x 3 Wang Liqin/Jörgen Persson (7/11, 11/7, 12/10 e 11/4)
Hugo Calderano 3 x 1 Wang Liqin (11/3, 6/11, 11/7 e 11/9)
 

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.

Siga a CBTM nas redes sociais: 

FACEBOOK: www.facebook.com/cbtenisdemesa
TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm
INSTAGRAM: @cbtenisdemesa

iDigo | Assessoria de comunicação CBTM
imprensa@cbtm.org.br