Brasileiro de Inverno: Hideo Yamamoto e Massao Kohatsu invertem papéis e acabam campeões no Absoluto A

18/05/2016 12:49

Parceria de São Caetano do Sul (SP) superou dois difíceis duelos para chegar ao título

Matheus Quelhas e José Augusto Assis, de Fortaleza (CE) - 18/5/2016

Hideo Yamamoto e Massao Kohatsu (São Caetano do Sul/SEEST/Xiom-SP) sagraram-se campeões no Absoluto A, principal categoria de duplas do Brasileiro de Inverno 2016, em Fortaleza (CE). Na decisão, eles bateram Danilo Toma e Giuliano Peixoto (FME Concórdia-SC) por 3 a 2 (7/11, 9/11, 11/3, 11/7 e 11/9) com direito a uma inversão de papéis.

“Nenhuma direita minha estava entrando durante todo o jogo. Aí no final o Massao virou para mim e disse ‘se vier, vai com confiança, só coloca a bola lá’, e acabei acertando duas no match point. Ele me falou o que eu diria pra ele, se tivesse como técnico”, revelou Hideo, logo após o confronto.

“Quando você está jogando é mais difícil perceber, por isso eu consegui dar alguns toques para ele. Foi até engraçado, porque não estava entrando nenhum forehand e no último ponto foram dois”, completou Massao.

Na semifinal, os campeões superaram outro grande desafio: bateram os medalhistas de bronze Pedro Ramos e Humberto Manhani (FME Criciúma-SC) por 3 a 2, parciais de 6/11, 12/10, 10/12, 11/7 e 11/7 – Eric Mancini e Jeff Yamada (ADR Itaim Keiko/São José dos Campos-SP) também ficaram em terceiro lugar.

“Eles também eram adversários muito difíceis. Perdemos o primeiro set e estávamos perdendo o segundo por 7 a 0, mas conseguimos nos recuperar, vencer e a partir daí voltar pro jogo”, analisou Hideo.

O vice-campeão Danilo Toma se mostrou satisfeito com o resultado, revelando que a expectativa da parceria era chegar ao pódio.

"Nós esperávamos chegar na semifinal e conseguimos. Jogamos muito bem as quartas e na semifinal conseguimos ganhar de adversários com um nível técnico alto, além de serem entrosados. Em geral, nós fomos muito bem e estou feliz”, comemorou o paulista.

Para sua dupla, Giuliano Peixoto, o início do jogo estava favorável, mas uma queda no rendimento permitiu o aumento da confiança dos adversários, que conseguiram manter o bom desempenho até o final do duelo.

"Começamos muito bem o jogo, impondo o nosso ritmo de ataques, estávamos dominando a maioria dos pontos. A partir do terceiro set, eles vieram mais agressivos e a gente deu uma parada. Com isso, eles ganharam confiança. Eles tiveram mérito de acertarem as bolas certas para finalizar o jogo", elogiou Peixoto.

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.

Siga a CBTM nas redes sociais:

FACEBOOK: www.facebook.com/cbtenisdemesa
TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm
INSTAGRAM: @cbtenisdemesa

iDigo | Assessoria de comunicação CBTM
imprensa@cbtm.org.br