Copa Pan-Americana: Treinadores avaliam participação brasileira na competição

02/08/2017 09:34

Francisco Arado se mostrou satisfeito com rendimento no masculino e Hoyama lamentou eliminação precoce das meninas

Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 02/08/2017

Foto: ITTF

Para os treinadores da seleção brasileira, a volta para casa após a Copa Pan-Americana, que aconteceu em San José, Costa Rica, foi de maneiras diferentes. Enquanto Francisco Arado, o Paco, exaltou o fato de ter acontecido uma final verde e amarela no masculino, entre Gustavo Tsuboi e Eric Jouti, Hugo Hoyama salientou que Caroline Kumahara e Lin Gui poderiam ter ido mais longe na competição.

Gustavo Tsuboi sagrou-se campeão e Eric Jouti ficou com o vice. Já Caroline Kumahara e Lin Gui acabaram derrotadas para Lily Zhang, dos Estados Unidos, e Mo Zhang, do Canadá respectivamente, nas quartas de final – a canadense e a estadounidense fizeram a decisão.

Paco mostrou como um ponto positivo a evolução que Tsuboi teve durante a própria competição, conseguindo terminar com a medalha de ouro após ficar na segunda colocação na fase de grupos.

“A Copa foi muito boa para nós, pois conseguimos os dois jogadores na final e, com isso, alcançamos nosso objetivo que era a vaga para a Copa do Mundo. Tsuboi, depois de um começo não muito bom no grupo, foi achando o ritmo de jogo e crescendo na competição. Foi muito bom ver o jeito como resolveu as situações difíceis, nunca parou de lutar e tentar alternativas para vencer”, disse ele, que ainda fez elogios a Eric:

“Eric foi muito regular. Desde o começo, manteve um bom nível, ganhando todos seus jogos do grupo, depois passando pelas quartas, semi e só perdendo na final, em um jogo muito equilibrado. Para ele, foi muito positivo por ser um jogador jovem, com muito potencial e que vem evoluindo, se firmando com ótimos resultados”.

O técnico aproveitou ainda para enaltecer o trabalho realizado diariamente com atletas, na Alemanha.

“Mais uma vez, mostramos a hegemonia no continente e isso é fruto de um trabalho em equipe. Então, não poderia deixar de destacar o trabalho e apoio do Jean Renê  e da equipe técnica do Ochsenhausen, em especial a Michel blondel e ao preparador físico Mika, que são as pessoas que trabalham no dia dia com esses jogadores”,  ressaltou.

Hoyama, por sua vez, lamentou que Lin e Carol não tenham conseguido avançar no torneio feminino.

“Não foi o resultado que esperávamos. Não chegamos à semifinal, mas também há o mérito das adversárias, que aproveitaram as chances que tiveram. Foi uma pena, mas fica o alerta, até para as próximas competições. Temos de ver o que precisa melhorar para que os resultados sejam mais positivos. Elas lutaram bastante, mas acabaram não conseguindo, infelizmente”, afirmou.

O treinador lembrou ainda que, em breve, haverá mais um desafio e salientou que lições devem ser tiradas da campanha na Copa Pan:

“Em setembro, elas vão disputar o Campeonato Pan-Americano, na Colômbia, que é um outro torneio importante. A Copa Pan foi boa, por um lado, porque deu para ver como as americanas e canadenses estão jogando. Só enfrentávamos elas no Pan e, agora, tem esse torneio todo ano”

Esta foi a primeira edição da Copa Pan-Americana, que antes era Copa Latino-Americana, que passou a contar com atletas dos Estados Unidos e Canadá.

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.
 

Siga a CBTM nas redes sociais:

FACEBOOK: www.facebook.com/cbtenisdemesa
TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm
INSTAGRAM: @cbtenisdemesa

iDigo | Assessoria de comunicação CBTM
imprensa@cbtm.org.br