Escola municipal colhe bons frutos com projeto que incentiva a prática do tênis de mesa

08/07/2016 16:33

Instituição do Rio de Janeiro faturou dois ouros e uma prata no 34º Intercolegial; 240 alunos participam da iniciativa

 

Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 8/7/2016

 

Apesar de ser estreante, a Escola Municipal Rodrigo Otávio Filho (ROF) fez grande campanha no 34º Intercolegial Olímpico do Estado do Rio de Janeiro, que foi realizado em São João de Meriti (RJ), em junho. A instituição, que conquistou duas medalhas de ouro e uma de prata nas disputas de tênis de mesa , realiza um projeto com os seus alunos incentivando a prática do esporte.

 

"É uma alegria e satisfação enorme ver a minha escola entre as melhores, porque buscamos, através do trabalho e da dedicação, mostrar o valor do esporte para os alunos", disse Paulo César, diretor do colégio localizado no bairro de Irajá, Zona Norte da capital fluminense.

 

A iniciativa começou em 2003, ano em Paulo César começou a trabalhar no ROF. Ele, ao lado de dois colegas de profissão,  ampliou o número das modalidades praticadas na educação física, que antes se limitava à prática do futsal para os meninos e queimado para as meninas.

 

"Naquele ano, eu e meus colegas inscrevemos a escola nos Jogos Estudantis da Cidade do Rio de Janeiro, que contemplavam oito modalidades, dentre elas, o tênis de mesa. Por esse motivo, começamos a incentivar a prática da modalidade", lembrou o diretor.

 

Outro fator que ajudou no prosseguimento do esporte no projeto foi o caráter democrático que ele tem. Para Paulo, todos podem praticar e se enfrentar no tênis de mesa.

 

"Com a prática e a formação das equipes, visualizamos que é uma modalidade para todos. Nela, os meninos jogam com meninas, os altos com os baixos, os obesos com os magros, os mais novos com os mais velhos. Por isso, os alunos passaram a gostar da modalidade e a mesma se popularizou dentro da escola", contou.

 

Apesar de ter disputado o Intercolegial pela primeira vez somente este ano, a escola vem participando de diversas competições e alcançando bons resultados.

 

"Nós fomos bem nos Jogos Escolares 2015 e há mais de 10 anos estamos sempre entre os primeiros colocados nos Jogos Estudantis da Cidade do Rio de Janeiro, sem contar que estamos participando também do Circuito da FTMERJ, em que atualmente estamos na frente de clubes fortíssimos e de colégios concorrentes em competições escolares", contou Paulo.

 

Para o diretor, o ROF, por ser uma instituição pública, teve de desmistificar o 'rótulo de incapaz' para obter essas boas marcas no tênis de mesa. Ainda segundo o coordenador, a determinação dos seus alunos compensa qualquer tipo de dificuldade.

 

"O grande empecilho foi desmistificar esse estereótipo de incapazes que as pessoas costumam colocar em colégios públicos, além da descrença até mesmo de pessoas de dentro da própria escola que não entendem que o esporte é um dos  grandes caminhos para evitar atitudes negativas da criança e do adolescente", afirmou Paulo, que ainda completou:

 

"Na parte de estrutura financeira e social, temos um status negativo em relação às instituições particulares. Mas garanto que nossos alunos têm uma determinação e vontade maior do que aqueles que possuem mais facilidades e isso compensa", completou.

 

No ROF, o tênis de mesa é tão popular que de 700 estudantes, 240 praticam a modalidade. O projeto é realizado com alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, com idades entre 10 a 15 anos. Mesmo com um número grande de adeptos e com os recentes triunfos, o diretor acredita que o projeto ainda tem muito a crescer.

 

"Acho que o projeto ainda pode ficar muito maior, mas precisamos que as pessoas mudem o olhar sobre este tipo de trabalho. Pode ser utopia, mas acho que ainda muitos perceberão o potencial de tudo isso", finalizou.