Jennyfer disputa sua primeira competição fora do país após três anos de espera

28/06/2012 15:17

A convite da amiga e vizinha Carolina Maldonado, Jennyfer Marques Parinos começou a jogar Tênis de Mesa por diversão. A brincadeira de menina se tornou coisa séria e em menos de seis meses a então aspirante a atleta Paralímpica foi para a Colômbia participar do Campeonato Parapanamericano Infantil.

Na época Jennyner tinha 13 anos e antes disso havia participado apenas de etapas do Circuito Copa Brasil. Apesar do desejo de representar o país, ela foi considerada inelegível e não recebeu a autorização para participar, pois o responsável pela Classificação Funcional entendeu que a deficiência poderia ser curada com tratamento.

Jennyfer tem Raquitismo Hipofosfatérmico, um problema que impede que o organismo absorva o cálcio dos alimentos. Os ossos do corpo inteiro ficam fracos e por ter que sustentar todo o peso as pernas acabam ficando arcadas. O problema realmente tem tratamento, mas Jennyfer foi avaliada novamente em 2010 e ficou na Classe 10.

--- Na época do Parapan fiquei muito triste, pois fui para jogar e não consegui. Na época tomava mais de dez comprimidos de fósforo e cálcio --- explicou a menina, que já é apontada pelos especialistas como uma das maiores promessas do Tênis de Mesa brasileiro, a parceira ideal para a também talentosa Bruna Alexandre.

Jennyfer está com 16 anos e disse que não pretende abandonar nunca mais a modalidade. Quer se formar em Educação Física e um dia se tornar técnica. Enquanto isso, leva uma vida normal como qualquer outra adolescente e passa horas ouvindo as músicas da banda “Queen”, um dos maiores sucessos da década de 80.

Nessa fase da vida, qualquer diferença pode ser tornar um problema. A convivência com os amigos de escola se tornarm difíceis, pois existem sempre aqueles que gostar de expor as deficiências dos outros. Jennyfer admite ter sofrido um pouco na antiga escola, mas tudo mudou quando se transferiu para o Santa Cecília, que tem uma das equipes de Tênis de Mesa mais fortes da baixada santista.

--- Antigamente sempre tinha um bobo ou outro que gostava de ficar provocando, mas nunca dei muita importância. Hoje todo mundo procura acompanhar os resultados e vibra com cada conquista, principalmente as amigas Isabela e Camila, que são irmães para mim --- disse Jennyfer, sem esquecer do carinho que vem de casa.

--- Minha mãe e meu pai são meus maiores incentivadores. Agradeço a eles por todo apoio que sempre me deram --- completou Jennyfer, que é fã da japonesa Ai Fukuhara e da belga Natália Partyka, a atual nº 1 do Ranking Mundial na Classe 10.

Na Copa Tango, Jennyfer se classificou em segundo lugar em seu grupo e está na semifinal do Torneio Individual. Sua próxima adversária será Bruna Alexandre.