Jogos Paralímpicos: Meninas da Classe 6-10 lutam, mas acabam perdendo para a Polônia e vão brigar pelo bronze

15/09/2016 19:11

Bruna Alexandre e Danielle Rauen fizeram jogo equilibrado nas duplas. Danielle ainda teve a missão de encarar Natalia Partyka

Alexandre Araújo, no Rio de Janeiro (RJ) - 15/9/2016

Foto: Alexandre Urch/CPB/MPIX

A luta por um lugar no pódio continua! As meninas da equipe Classe 6-10, composta por Bruna Alexandre, Danielle Rauen e Jennyfer Parinos, enfrentaram a Polônia (Natalia Partyka, Karolina Pek e Katarzyna Marszal) na semifinal da categoria, na tarde desta quinta-feira, e começaram o confronto tendo uma ótima atuação, mas acabaram perdendo por 2 a 0. Com isso, vão disputar a medalha de bronze com a Austrália, que deu adeus à briga pelo ouro após perder para a China.

Na primeira partida, Bruna Alexandre e Danielle Rauen enfrentaram Natalia Partyka e Karolina Pek, duas velhas conhecidas das brasileiras. Enquanto Partyka havia jogado a semifinal da Classe 10 contra Bruna Alexandre, Pek enfrentou Danielle duas vezes, na fase de grupos e na disputa do bronze - tendo vencido ambas. A seleção verde e amarela fez um jogo de igual para igual em todos os sets, fazendo as polonesas suarem para ganhar de 3 sets a 0 (11/9; 11/9 e 11/8).

No individual, Danielle Rauen, quarta colocada da Classe 9, teve a missão de atuar contra Natalia Partyka, ouro da Classe 10. A brasileira fez um jogo mais agressivo e arriscou algumas jogadas, mas não conseguiu bater a rival e acabou sendo derrotada por 3 sets a 0 (11/4; 11/1 e 11/3). Agora, o Brasil terá pela frente a Austrália, de Melissa Tapper, sábado, às 12h.

"Precisávamos ganhar dupla, mas não conseguimos. Não teríamos como vencer a Polônia sem ganhar no jogo de duplas Em alguns momentos, tomamos decisões erradas bolas fáceis. A experiência delas contou também, mas erramos bolas que não poderíamos erra", disse Bruna Alexandre, salientando que o momento é de focar na luta pela medalha:

"É totalmente outro jogo. É um nível abaixo da Natalia (Partyka), mas elas são experientes. Então, acho que, agora, é erguer a cabeça e jogar tudo que podemos. Já jogamos contra elas, mas esse momento é diferente", completou.

Danielle Rauen, por sua vez, elogiou a atuação brasileira no jogo de duplas e lamentou o resultado do primeiro confronto desta semifinal.

"Sabíamos que, como não ganhamos na dupla, seria muito difícil, pois eu teria de ganhar no indivdual da Natalia. Na dupla, jogamos bem, foram set bem iguais, mas, infelizmente, não conseguimos ganhar. Agora, é focar na Austrália para lutar pelo terceiro lugar", finalizou.

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.

Siga a CBTM nas redes sociais:

FACEBOOK: www.facebook.com/cbtenisdemesa
TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm
INSTAGRAM: @cbtenisdemesa

iDigo | Assessoria de comunicação CBTM
imprensa@cbtm.org.br