Raphael Moreira comenta experiência no Europeu Universitário e comemora: 'Fechei o intercâmbio com chave de ouro'

28/07/2016 13:53

Jovem passou cerca de 10 meses em intercâmbio na cidade do Porto

Foto: Divulgação/EUSA

Da redação, do Rio de Janeiro (RJ) - 28/7/2016

Raphael Moreira não poderia ter encerrado seu intercâmbio em Portugal de forma mais satisfatória para um amante do tênis de mesa: jogando uma competição de alto nível e ajudando sua equipe, a Universidade do Porto, a melhorar seu desempenho. No último final de semana, o paulista, estudante de Educação Física da Universidade de São Paulo (USP), participou dos Jogos Europeus Universitários, na Croácia, antes de retornar ao Brasil.

"Esse campeonato foi o maior da minha carreira e eu não esperava que fosse assim. A estrutura é como se fosse os Jogos Olímpicos. Foram mais de 5 mil estudantes de mais de 40 países e ficamos todos em uma espécie de Vila, um grande complexo que posteriormente vai virar uma residência universitária", contou o brasileiro.

Na mesa, Raphael ajudou a equipe 'Portista' a terminar na nona colocação, após finalizar a primeira fase em primeiro lugar, deixando pra trás um último lugar no Europeu de tênis de mesa, no ano passado. Na disputa individual, ele só foi superado pelo turco Gencay Menge, atual 264º colocado no ranking mundial, membro da seleção de seu país e que ficaria com o título da competição. Como o objetivo principal de seu intercâmbio era, a princípio, focar na carreira de técnico, Moreira não escondea felicidade pelos resultados.  

"Para mim foi a realização de um sonho, porque nunca tinha disputado uma competição continental na Europa, somente na América Latina. Realmente o nível é muito alto e deu para eu ver que consigo render bem contra atletas de bom nível, principalmente no individual. Consegui ter muitas chances com o 4º cabeça de chave, um atleta profissional, que disputa etapas do Circuito Mundial, então fiquei muito feliz. Só me deu mais ânimo para continuar me dedicando à minha carreira como jogador, um passo de cada vez", decretou.

Durante o período que esteve no continente Europeu, Raphael foi orientado pelo consultor internacional da CBTM, Michel Gadal, e seguiu os passos de Pedro Rufino, técnico que já comandou a seleção portuguesa, no clube Guilhabreu. Ele já havia passado por experiência de alto nível como observador no Centro de Treinamento da seleção alemã, em Düsseldorf, e no centro de treinamento onde treina Hugo Calderano e outros grandes jogadores, em Ochsenhausen. Porém destaca que encerrar esse ciclo na mesa fez jus ao que considera a grande conquista dos meses longe de casa: a reafirmação da paixão pela modalidade.

"Isso fechou com chave de ouro meu intercâmbio aqui em Portugal. Eu consegui isso sendo um bom aluno na minha faculdade, que me concedeu a bolsa, mas nunca imaginei que teria a oportunidade de voltar a praticar o esporte que eu amo. Também conheci muitos lugares, acompanhei os melhores do mundo treinando e vi eles jogarem, isso tudo foi incrível", disse Raphael, antes de agradecer todos os envolvidos.  

"Tenho que agradecer em primeiro lugar a Deus. Depois a USP por ter me concedido essa bolsa de estudos; o Departamento de Desporto da Universidade do Porto, por ter me
oferecido o suporte que eu necessitei em todo meu período em Portugal; a CBTM, através do Michel Gadal, por ter aberto espaços pra mim na Alemanha; e principalmente aos times Guilhabreu, através do presidente Azevedo e do técnico Pedro Rufino, e a Universidade do Porto, por terem compartilhado esses momentos comigo".

Voltar à rotina normal pode ser difícil para os intercambistas, mas parece que os caminhos do agora mesatenista convicto voltaram mais claros da experiência europeia - uma parte graças às amizades e outra graças ao esporte.

"Todos os amigos que fiz no intercâmbio me ajudaram a não sentir tanto a saudade do Brasil. Agora é terminar o curso em dezembro, permanecer aberto às possibilidades, mas o que eu sei é que quero jogar tênis de mesa por muito tempo ainda", finalizou.   

Universidade russa se destaca nos Jogos Europeus

A Rússia vem se destacando nas competições de tênis de mesa na Europa. O país, que já havia ido bem neste mês no Campeonato Europeu da Juventude também brilhou nos
Jogos Europeus Universitários, que foi realizado na semana passada. A Universidade Estadual Russa de Ciências Humanas faturou seis medalhas na competição - três ouros, duas pratas e um bronze - e, com isso, terminou na liderança do quadro de medalhas da modalidade.

Confira os campeões:

Individual masculino: Gencay Menge (Universidade de Marmara - Turquia)
Individual feminino: Magdalena Sikorska (Universidade de Kozminski - Polônia)
Duplas masculinas: Ilia Shamin e Pavel Pulnyy (Universidade Russa de Ciências de Humanas)
Duplas femininas: Magdalena Sikorska e Natalia Bak (Universidade de Kozminski - Polônia)
Equipes masculinas: Universidade Russa de Ciências de Humanas
Equipes femiminas: Universidade Russa de Ciências de Humanas