Seleção feminina fecha a participação na Copa do Mundo por Equipes

23/02/2018 11:12
 
Time feminino é superado pela Coreia do Norte e dá adeus ao torneio
 
FOTO: Bruna saiu na frente contra norte-coreana, mas sofreu a virada. Crédito: ITTF
 
Rio de Janeiro (RJ), 23 de fevereiro de 2018.
Por: Assessoria de Comunicação - CBTM
 
As meninas do Brasil encerraram a sua participação na Copa do Mundo, em Londres, na manhã desta sexta-feira (23/2). Elas acabaram suplantadas pela Coreia do Norte, que fechou o confronto em 3 a 0 na mesa 3 da Cooper Box Arena. As norte-coreanas avançam, junto com a China, às quartas de final, como seleções classificadas do Grupo B.
 
A partida inicial foi a de duplas. Caroline Kumahara e Bruna Takahashi não resistiram ao jogo intenso de Kim Nam Hae e Cha Hyo Sim e foram batidas por 3 sets a zero (11/5, 11/6 e 11/8).
 
Em seguida, Gui Lin encarou Kim I Song, 52º do ranking mundial e medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. A norte-coreana fez um jogo de pouquíssimos erros e bateu a brasileira por 3 a 0 (11/1, 11/6 e 11/2).
 
No duelo seguinte, Bruna Takahashi reecontrou uma das suas adversárias da partida inicial, Kim Nan Hae, 320 do mundo. Bruna foi absoluta na primeira parcial, mas a rival reagiu e venceu os sets seguintes, fechando o jogo em 3 a 1 (2/11, 11/9, 11/3 e 11/6).
 
Bruna fez uma análise de seu rendimento ao fim dos jogos: "Eu acho que joguei bem nesses dias. Consegui tirar um set nas duas, mas minha meta era ganhar. Foi por detalhes que não venci as partidas", explicou.
 
O sorteio ruim para o Brasil se confirmou com as dificuldades impostas pelas adversárias.
 
"Como havia dito antes, nossas adversárias eram muito fortes e hoje, contra a Coreia do Norte, também foi um jogo duro. Para se ter uma ideia do nível, ontem elas criaram muito desconforto para as chinesas", explicou o técnico Lincon Yasuda, antes de falar sobre os jogos do dia.
 
"A Bruna começou muito bem seu jogo, poderia ter aberto 2 a 0 o que provocaria mais pressão sobre a Kim. A Gui Lin enfrentou a medalhista de bronze na Olimpíada do Rio de Janeiro. Uma terrível adversária, que tem muita variação, além de ataque e defesa fortes".
 
 
A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) - Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal - Ministério do Esporte.

 

FATO&AÇÃO COMUNICAÇÃO

Assessoria de Comunicação da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa - CBTM

Claudia Mendes - claudia@fatoeacao.com

Marcio Menezes – marcio@fatoeacao.com

imprensa@cbtm.org.br

fatoeacaocomunicacao@gmail.com

 
 
 
Siga a CBTM nas redes sociais:
 

 Facebook  Twitter  Instagram