Histórico

Linha do Tempo Brasil

1905: O tênis de mesa chega a São Paulo/SP por meio de turistas ingleses. O nome era o mesmo utilizado em Londres naquela época: o Ping Pong, já que era época da “epidemia” deste nome na capital inglesa.

1912: A modalidade começa a ser praticada de forma mais organizada, com a disputa do primeiro campeonato por equipes, vencido pelo Vitória Ideal Clube.

1924: Primeiros registros do tênis de mesa no Rio de Janeiro/RJ, onde a prática já ocorria no Club de Regatas Vasco da Gama.

1926: Surge a Liga Paulistana, cujo campeonato oficial de estreia foi conquistado pelo Castelões Futebol Clube.

1929: O alemão Máximo Cristal traz ao Brasil a primeira raquete com pino. No mesmo ano, o atual campeão, Afins Sociedade Recreativa, retira-se da Liga para fundar a Associação Paulista de Ping Pong.

1932: Em junho, a Liga Carioca de Ping Pong e o Esporte Clube Antártica resolveram disputar em São Paulo/SP uma série de jogos. Durante a viagem, estoura a revolução constitucionalista. A delegação carioca é recebida em São Paulo pela guarda de honra militar. Durante três meses, os atletas são obrigados a viver na capital paulista, amparados por colegas da modalidade com alojamento ou mantimentos. Realizam, inclusive, exibições pagas para levantar recursos.

1937: O paulista Rafael Bologria lê na revista "Life" uma reportagem do norte-americano Lou Pagliaro e constata a diferença entre o tênis de mesa nacional e o praticado no exterior. Pensa, então, num intercâmbio técnico. Após grande esforço, consegue a colaboração de uma colônia húngara para, com o patrocínio de Leon Orban, promover a vinda, no ano seguinte, dos campeões mundiais M. Szabados e I. Kelen.

1938: Apesar das diferenças das regras e das dimensões da mesa, Szabados é derrotado diante de cerca de duas mil pessoas, na primeira vitória internacional do Brasil.

1940: Intensifica-se o movimento de desenvolvimento do tênis de mesa no Brasil, com adoção das regras internacionais. Em novembro, é inaugurada a primeira mesa do país, no Clube Atlético Fazenda Estadual. No ano seguinte, a antiga Associação de Ping Pong transforma-se em Federação Paulista de Tênis de Mesa. Meses depois, é fundada no Rio a Federação Metropolitana de Tênis de Mesa, apoiada pelos grandes clubes da cidade.

1942: Cariocas e paulistas aprovam a tradução das regras e assinam convênios que levam à oficialização do tênis de mesa pela Confederação Brasileira de Desportos (CBD).

1946: É disputada a primeira edição do Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa. O Rio de Janeiro conquista os títulos por equipes masculinas e femininas, individual masculino e duplas masculinas.

1947: Brasil participa do terceiro Campeonato Sul-Americano, intensificando o intercâmbio internacional da modalidade. Mário Jofre idealiza a participação do país em Mundiais, executada por Dagoberto Midosi.

1961: Dois anos após se tornar o mais jovem atleta masculino a fazer parte de uma seleção brasileira, aos 14 anos, Ubiraci Rodrigues da Costa, o Biriba, vence o então campeão Rong Guotuan no Mundial de Pequim, na China.

1979: É fundada a Confederação Brasileira de Tênis de Mesa, independente da CBD.

1983: Brasil conquista suas primeiras medalhas no torneio de tênis de mesa dos Jogos Pan- Americanos, em Caracas, na Venezuela.

1984: O Brasil organiza seu primeiro Mundialito (atualmente conhecido como Aberto do Brasil) no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro. A competição é promovida pela CBTM, passando a ser um dos torneios abertos da América Latina reconhecidos pela Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF).

1988: Claudio Kano e Carlos Kawai representam o Brasil na estreia do tênis de mesa nos Jogos Olímpicos, em Seul, na Coreia do Sul.

1990: A Seleção Brasileira disputa pela primeira vez os Jogos Sul-Americanos, conquistando cinco ouros (Equipe masculina – Cláudio Kano, Hugo Hoyama, Silnei Yuta e Washington Spolidori; Individual masculino – Cláudio Kano; Dupla masculina – Cláudio Kano e Hugo Hoyama; Dupla feminina – Carla Tibério e Mônica Doti; Dupla mista – Cláudio Kano e Mônica Doti), duas pratas (Equipe feminina – Edna Fuji, Carla Tibério, Mônica Doti e Marta Massuda; Individual masculino - Hugo Hoyama) e um bronze (Individual masculino – Silney Yuta).

1996: Hugo Hoyama dá ao Brasil o melhor resultado de sua história em Jogos Olímpicos, ao alcançar as oitavas de final em Atlanta, nos Estados Unidos, quando eliminou o então campeão mundial Jorgen Persson (Suécia). Cláudio Kano é vitimado por um cruel acidente de motocicleta, seu hobby predileto. Kano faleceu no dia de seu embarque para os Jogos de Atlanta, em 01 de julho de 1996.

2008: Welder Knaf e Luiz Algacir conquistam a medalha de prata no torneio por equipes da Classe 3 dos Jogos Paralímpicos de Pequim, na China.

2011: Hugo Hoyama obtém seu décimo ouro em edições do Pan, em Guadalajara. Outro Hugo, o Calderano é bronze no Mundial Cadete.

2012: Hugo Calderano ganha os Abertos na Polônia e no México e alcança a liderança do Ranking Mundial Sub-18.

2013: Cazuo Matsumoto torna-se o primeiro sul-americano a conquistar uma etapa do Circuito Mundial, promovido pela Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF) na Europa, o Aberto da Espanha.

2014: Hugo Calderano conquista a medalha de bronze individual nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Nanquim, na China. No mesmo ano, a seleção feminina é campeã mundial da segunda divisão. No Mundial Paralímpico, na China, o país conquista três medalhas de bronze: as primeiras da história, com Bruna Alexandre (classe 10), Aloísio Lima e Bruno Braga (equipes - classe 1) e Bruna Alexandre, Jennyfer Parinos e Jane Rodrigues (equipes - classe 9 e 10).

2015: Bruna Takahashi conquista o Desafio Mundial de Cadetes e traz para o Brasil o primeiro título mundial no tênis de mesa.

2016: Hugo Calderano iguala a marca de Hugo Hoyama de melhor campanha em Jogos Olímpicos ao alcançar as oitavas de final da Rio 2016. O atleta ainda faz história ao conquistar a prata no torneio individual do Aberto da Áustria, além do ouro nas duplas no Aberto da Suécia, ao lado de Gustavo Tsuboi. Ambas etapas major do circuito.
Nos Jogos Paralímpicos, o Brasil faz história e fatura quatro medalhas: prata no individual da Classe 7 (Israel Stroh); e bronze no individual da Classe 10 (Bruna Alexandre), por equipes na Classe 6-10 feminina (Bruna Alexandre, Danielle Rauen e Jennyfer Parinos) e por equipes na Classe 1-2 masculina (Aloisio Lima, Guilherme Costa e Iranildo Espíndola).

2017: Hugo Calderano alcança o Top-20 do ranking mundial individual e é campeão do Aberto do Brasil.

2018: Hugo Calderano torna-se o primeiro brasileiro a ser finalista de uma etapa Platinum do Circuito Mundial, no Aberto do Catar. No final do ano, conquista a medalha de bronze no ITTF Grand
Finals, em torneio que reuniu os 16 melhores mesa-tenistas do mundo. De quebra, Calderano alcançou o Top-10 do ranking mundial individual e se tornou o melhor atleta das Américas desde a criação do ranking mundial. Em dezembro, bate o número 1 do mundo, o chinês Fan Zhendong, nas quartas de final do ITTF Grand Finals.

2019 -
Brasil classifica sete atletas para a chave principal do Mundial de Budapeste. Hugo Calderano iguala Biriba e Claudio Kano como a melhor campanha de um brasileiro em Mundiais: foi eliminado nas oitavas de final, pelo chinês Ma Long.

Confederação Filiada

Financiada pela Lei N° 10.264/2001

Patrocinadores

Eventos
Calendário
Área de Filiados
Desenvolvimento
Universidade do Tênis de Mesa
Escolas de Treinadores
Escolas de Árbitros e Oficiais
Escola de Gestão
Certificações