Notícia

Na melhor campanha do tênis de mesa brasileiro nos Jogos Olímpicos, equipe masculina fica entre as oito primeiras

Time formado por Gustavo Tsuboi, Hugo Calderano e Vitor Ishiy lutou bastante contra a Coreia do Sul, uma das melhores equipes do mundo, nas quartas de final do torneio de equipes

Guerreiro, Gustavo Tsuboi encarou dores no braço e quase venceu um dos duelos. Foto: Cheng Howe Seet (ITTF).

Por Nelson Ayres (Fato&Ação) – Assessoria de Imprensa CBTM

02/08/2021 04h50


O Brasil ficou entre os oito melhores do torneio masculino de equipes dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Na madrugada desta segunda-feira (2), no Ginásio Metropolitano de Tóquio, o time brasileiro foi superado pela Coreia do Sul, nas quartas de final da competição, por 3 a 0. Uma eliminação que acabou com a esperança da primeira medalha olímpica, mas que marcou um resultado histórico para a modalidade no país.

Esta foi a primeira vez que o Brasil chegou tão longe nos Jogos. Em 2008, o time ficou em 13°. Nas duas Olimpíadas seguintes, fechou em nono lugar. Os Jogos de Tóquio marcaram também o melhor desempenho individual dos mesa-tenistas do Brasil, com Hugo Calderano caindo nas quartas de final e Gustavo Tsuboi nas oitavas.

No primeiro jogo, Gustavo Tsuboi e Vitor Ishiy encaravam a fortíssima dupla Lee Sangsu e Jeoung Youngsik, em primeiro lugar no ranking mundial de duplas masculinas. E foi difícil para os brasileiros conseguirem encaixar o jogo. Os sul-coreanos venceram bem o primeiro set e continuaram em ritmo forte na segunda parcial.

No terceiro, Tsuboi e Ishiy finalmente se encontraram e deram trabalho aos adversários até a metade. Em dia inspirado da dupla asiática, conseguiram emplacar uma sequência de pontos. Os brasileiros ainda salvaram quatro match points, mas não evitaram a derrota posterior, por 3 a 0 (6/11, 2/11 e 10/12).

As dificuldades continuaram no segundo jogo, de Hugo Calderano, número 7 do ranking masculino, contra Jang Woojin, 12° da lista e adversário superado nas oitavas de final do torneio individual. O brasileiro até começou melhor no primeiro set, mas permitiu a virada, após alguns erros. Na segunda parcial, também teve maior dificuldade nos momentos finais. No terceiro set, Calderano chegou a ter um set point a seu favor, mas o sul-coreano virou e fechou em 3 a 0 (6/11, 8/11 e 10/12).

Tsuboi encara dores

O desafio seguinte era de Gustavo Tsuboi, número 37 do mundo, contra Jeoung Youngsik, 13°. O sul-coreano começou dominando a disputa no primeiro set. Aos poucos, Tsuboi foi se soltando e tomando o controle, com muitas variações de saque na segunda parcial e conseguiu vencer, por 11 a 8. O terceiro set foi inteiramente dominado por Youngsik, que chegou a abrir 7 a 0 e finalizou com certa folga.

O brasileiro precisou receber atendimento médico no intervalo, com dores no bíceps esquerdo, mas voltou para a partida. Visivelmente incomodado, lutou bravamente. Dominou o quarto set, mostrando que não estava disposto a entregar a vitória tão facilmente, conseguindo levar o duelo para o tie-break.

As dores pareciam incomodar cada vez mais, com o brasileiro movimentando o braço a cada parada, mas ele seguiu brigando. Youngsik abriu vantagem, mas Tsuboi foi buscar uma reação. Além de seu limite físico, não conseguiu: perdeu por 3 a 2 (6/11, 11/8, 4/11, 11/8 e 7/11), mas deixou os Jogos Olímpicos com a sensação de dever cumprido, assim como no torneio individual.

“Com certeza, é difícil terminar com essa derrota. A gente veio com a vontade de conquistar uma medalha inédita para o Brasil. Mas temos de sair com a cabeça erguida, pois é um resultado histórico. Cumprimos essa missão de fazer algo especial. Para a gente, é uma conquista muito grande, a gente tem que sair muito orgulhoso. Já era dúvida de eu conseguir jogar o torneio individual por causa do ombro. Depois foi o oblíquo direito e agora o bíceps esquerdo. É uma competição muito intensa, fiz o meu melhor”, declarou Tsuboi, após o confronto.

“A Coreia do Sul é uma equipe muito forte, eles colocam muita pressão com a dupla, pois tem a melhor dupla do mundo. Da minha parte, não consegui colocar a mesma intensidade. É uma competição muito longa e cansativa, isso vai te esvaziando, meu jogo é muito exigente fisicamente e mentalmente. Não consegui achar aquele extra para ganhar dos melhores do mundo. Alcançamos duas quartas de final e uma oitavas de final, coisa que nunca tinha acontecido antes. Só mostra a nossa evolução nos últimos anos”, comentou Hugo Calderano.


 

FATO&AÇÃO COMUNICAÇÃO

Assessoria de Imprensa da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM)

Atendimento: Nelson Ayres – nelson@fatoeacao.com

Equipe de assessoria, produção de conteúdo, mídias sociais e clipagem: Claudia Mendes, Nelson Ayres, Lucas Pinto e Beatriz Ayres

fatoeacaocomunicacao@gmail.com / contato@fatoeacao.com




Siga a CBTM nas redes sociais:

FACEBOOK: www.facebook.com/cbtenisdemesa

FACEBOOK/PORTAL TMB: www.facebook.com/PortalTMBrasil

TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm

INSTAGRAM: www.instagram.com/cbtenisdemesa

YOUTUBE: www.youtube.com/user/TMdoBrasil

TIK TOK: www.tiktok.com/@cbtenisdemesa

LINKEDIN: www.linkedin.com/company/3214214

Confederação Filiada

Financiada pela Lei N° 10.264/2001

Jogo Limpo

Patrocinadores

Eventos
Calendário
Área de Filiados
Desenvolvimento
Universidade do Tênis de Mesa
Escolas de Treinadores
Escolas de Árbitros e Oficiais
Escola de Gestão
Certificações